domingo, 22 de fevereiro de 2009

Carne a val

Muita carne e pouco pensamento, pouca reflexão.
Tudo se faz e nada de paga, tudo se quer e nada se tem.
Na verdade, incomoda a forma como o brasileiro por 4 ou mais dias esquece-se do que se passa, e estagnando numa hipnose coletiva, mostrando a massificação da anestesia geral da nação.
Nosso país instaurado e afundado numa crise escondida.
Crise escamoteada que não quer nem se render à mundial.
O mundo se globalizou e só o presidente dessa nossa republiqueta acha que o povo e inglês vai ver que aqui tem a solução, a criatividade, e haja fé que "Deus é brasileiro".
A mídia? Nossa, é pior ainda.
Só se fala de celebridades desvairadas e desesperadas por notícias e formas de ainda vencer à pirataria e render alguns $$$ pra suas assessorias, gravadoras, emissoras, enfim salvando a pele e seus contratos, e alguns seguindo e comprando a tudo que é souvenir e treco que saia do tal que mais deve ganhar lá fora do que aqui mesmo.
TV? Dói ver o Faustão na poderosa fazendo um bailinho furreco de Carnaval que perde pra qualquer infantil por aí, e o pior uma pelação de saco de todos que o ouvido até cansa.
Não é só ele, tudo, aquele tal de BBB que me arrependo de ter assistido e acompanhado até em PayPerView, pois minha mãe é fanática por esses realities, pois é tão nojento, o que se pega de repente de relance pra ler é pobre, só se fala de tirar roupa, esfregar a bunda, brigas, barracos, que falta grande do que fazer, não?
Por isso que digo: prefiro os livros, a internet e o som e leitura que escolho, ver Canção Nova, estar na paz do meu lar, no ar condicionado tomando Coca Zero e comendo pão feito em casa e batata-frita com arroz com feijão, quer coisa mais gostosa na vida que isso?
Escolas de Samba ou Oscar?
Estudar de madrugada?
Sim, isso tudo vai rolar, um cadinho de cada coisa, mas pera lá, aqui não entra nada que não valha a pena, chega de vulgarizar!

Profª Cristiana Passinato