sábado, 28 de março de 2009

O meu comentário depoimento bem filosófico sobre o post da novela no blog da Glória Perez

Não assisto à novela, mas gosto muito do que a Glória Perez faz, escreve e o blog dela tá ótimo, além de tudo há uma polêmica sobre educação que estou acompanhando e quero realmente partilhar o comentário que lá fiz, e fazer uma espécie de convocatória pra que todos nós opinemos a respeito do que está ocorrendo e se vem a novela, possam dar mais um apoio sobre a polêmica sobre as personagens da Professora e o tal Zeca, aluno indisciplinado de vida "torta":

Profª Cristiana Passinato deixou um novo comentário sobre a sua postagem "Calma, gente!": 

Desculpe, mas lendo alguns comentários sobre a nossa formação, muitos dos pais aqui presentes comentando, não fazem a menor idéia de quanto nos foi difícil fazer uma faculdade, nos pós graduar, ou mesmo nos especializar, buscar informação e tentar chegar o mais facilmente a eles, os alunos.
Muitos dos pais aqui, não fazem a menor idéia do que é passar 1 noite em claro (ou muitas) corrigindo os trabalhos, provas e avaliando se somos justos ou não ao dar uma certa nota a eles.
Muitos dos pais, fazem vista grossa e defendem por pura e simples isenção os seus queridos filhos que várias vezes individualmente são uns amores, mas quando se juntam aos seus coleguinhas, sim, viram uma gang de verdadeiros marginais - sim!!! - porque o que muitas vezes vemos em sala de aula chega aos limites, SIM, da marginalidade, infelizmente.
A agressividade não tolhida, a permissividade, SIM, são vários dos fatores, dentre outros muitos que poderíamos citar psico-pedagogicamente falando que os meninos vem desenvolvendo tais tipos de comportamentos que não sei daonde eles aprendem? (se não é em sala de aula, onde mais poderia ser? Na rua, papai e mamãe? Então, onde será que vcs os criam?)
Muitos não nos permitem sequer que demos aulas?
Por que muitos de vcs, não se revezam e tentam buscar com a direção do colégio uma forma de assistir o que se passa em sala, pois seria salutar.
Ou sei lá, trabalhem como voluntários como assistentes ou deem (será que tem acento, meu medo é dizerem que errei querendo acertar dentro da maldita nova ortografia, mesmo minha disciplina sendo a Química) aulas em pré-vestibulares comunitários, ou qualquer desses projetos onde não se há obrigatoriedade de ser professor formado e sinta a realidade em sua pele pra dizer qualquer coisa.
Um dos depoimentos em forma de comentários chegou a dizer que não sabemos o que é ser mãe ou pai, mas eu te falo com certeza, muitos pais não estão preparados pra terem seus filhos sequer e tem por qualquer que seja essa consequência e quem depois atura em sala e tem que desempenhar muitas vezes o papel que deveria vir de casa, SIM, falo de cadeira, pois minha mãe e meu pai por maiores que fossem suas deficiências, problemas, faltas por conta dos afazeres e trabalhos pra nos sustentar, a mim e ao meu irmão, eles nos deram educação básica, berço, sabe?
Não se troca papel com professor, educação de berço, de casa, de família, base de moral, bons costumes, essa coisa toda, ATÉ MESMO HIGIENE, vem de casa, SIM, pq o professor que precisa dar aula e tem uma ementa e programa imensos pra cumprir e ainda pressão de direção pra não perder 1 emprego importante que o fará se sustentar e retornar minimamente o que projetou e investiu desde sempre em sua formação, precisa cumprir.
Se vcs pais não se unirem a nós os professores e não formarem 1 coro UNÍSSONO (de 1 só som, se não souberem o significado do termo), será complicado reverter tal quadro deprimente em que a Educação se CHAFURDOU (afundou na lama, é isso, ok?)

Um forte abraço a todos!
Postado por Profª Cristiana Passinato no blog De tudo um pouco - Gloria Perez em 28 de Março de 2009 06:28