quarta-feira, 13 de maio de 2009

Pueril e lúdico suficiente pra adoçar as mágoas da vida


Vou escrever pouquinho e depois conto o que me chateou esses dias, pois reflete muito algo que estou procurando pra ilustrar que é 1 fala de 1 senhor que respeito muito.
Mas hoje, dei aula quebrada, mas fui em frente e fiquei feliz por isso.
De tarde segui pra pós e deu tudo certo, lá me encontro, parece que estou em casa e o assunto cada dia me interessa mais: POLÍMEROS.
No final, meu martírio que era seguir 1 longa viagem de trem até a estação de Sta Cruz, com uma cólica forte e uma gripe me pegando, mas um fato me pegou: meninos jogando limões pra cima, como em circo pedindo 5 centavos.
Inicialmente veio aquele rótulo: não vou dar porque vão cheirar, fumar crack ou entregar aquilo pra algum adulto e explorá-los e se eles quiserem que aprendam a realmente fazer direito e trabalhem no circo.
Mas não sei porque hoje desafiei: "Menininho, vem cá? Se você não deixar cair, eu vou te dar os 5 centavos".
O pequenininho fez tudo pra não cair, na última caiu... Fiquei com pena, mas falei: "trato é trato, caiu, então treina mais e amanhã me pede, mas sem cair, ok?"
Os meninos vieram todos: "Tia, olha como eu faço melhor que ele?"
Um deles deixou cair e eu morri de rir e disse: "Vocês são muito manés, mesmo, ninguém vai me mostrar que é bom aqui nesse vagão?"
Daí, chegou 1 molequinho que me impressionou: "Tia, fica vendo, eu vou ensinar pra esses moleques a fazer..."
Gente, nunca vi um igual, ele dançou, ele subiu nos bancos, ele fazia de tudo que é jeito a bolinha pra cima e não caía, e teve 1 hora que ele deixou cair, e parou...
E eu pensei, ah, vou zoar, mas não: "Parabéns, cara, você é o mais habilidoso, agora, você tem que ensinar a eles e treiná-los se quiserem mesmo fazer algo bonito, e legal..."
O menininho ficou todo contente e gritava e cantava: "Eu sou demais, a tia me elegeu o professor de vocês, eu vou ensinar pra todo mundo."
E eu falei: "Vem cá, menino, o fera: toma isso aqui..."
Ele: "Não tia, obrigada a senhora por ter olhado e falado com a gente, se eu pudesse, eu pagava a senhora, aqui ninguém olha pra gente, quando não têm medo, mas a gente gosta mesmo é de brincar".
Poxa, aquilo me deu uma lição, e uma forma de pensar, sabe?
Eles devem ter infinitos problemas, devem ter falta de tudo, mas se divertem brincando uns com os outros com as bolinhas e limões, e eu reclamando tanto de tão pouco e de ter quase tudo!
Leviandade minha, pois ser feliz é isso: é extrair coisas bonitas de gestos, palavras e atos simples.
Momentos alegres e simples são os mais intensa e verdadeiramente felizes...

Profª Cristiana Passinato