terça-feira, 26 de janeiro de 2010

A Importância Do Cuidado Para A Continuação Da Espécie Humana


Cíntia Barreto


O presente trabalho visa re-pensar a necessidade de cuidado da humanidade a partir da leitura da obra Saber Cuidar de Leonardo Boff. Para isso, foram escolhidos dois tópicos do livro pertinentes aos dias atuais: o cuidado e suas concretizações.

Nos dias de hoje, a iminência de uma 3ª Guerra Mundial faz-nos, cada vez mais, refletir a respeito da postura do homem diante da globalização, uma vez que as barreiras entre os povos ficaram mais estreitas e a comunicação, por outro lado, mais ampla. Com isso, as diferenças culturais são postas em discussão e comparadas, julgando-se ser esta ou aquela posição cultural a certa, ou melhor, a ideal.

Não podemos esquecer que a história mundial é constituída por guerras e intolerância e observa-se que quem tem muito impera e quem tem pouco morre: de fome, de frio, de gases tóxicos, de câncer, de aids, de dívidas. Assim, é preciso perceber a importância do cuidado na humanidade, pois, sem ele, a paz distanciar-se-á de todos e tornar-se-á utopia para sempre.

Dado o exposto, o seguinte trabalho propõe uma reflexão de todos nós, cidadãos do século XXI, para duas questões importantes: o que é cuidado e como concretizá-lo atualmente.

A Filologia Da Palavra Cuidado

A palavra cuidado apresenta várias derivações, contudo sempre terá a idéia de preocupação e inquietação por alguém. A pessoa que tem cuidado, tem amor e preocupação por algo ou por alguém. Do contrário, não há cuidado, há des-cuido.

É certo que cuidado possui duas significações básicas. A primeira, entendida como desvelo, ou seja, atenção para com o outro. A segunda, entendida como preocupação, pois a pessoa que cuida, preocupa-se e sente-se responsável pelo outro.

Assim como Leonardo Boff, em Saber Cuidar, também Antoine de Saint-Exupéry, em O Pequeno Príncipe, lembra-nos da importância do cuidado a partir do ato de cativar. Ao se cativar alguém, ganha-se sua simpatia, sua estima, seu querer bem. Em contrapartida, essa palavra dá origem a outra, nada simpática: cativeiro, que significa prisão, escravidão, sofrimento.

Dessa forma, faz-se mister re-ver e re-ler Saint-Exupéry:

"E foi então que apareceu a raposa:
- Bom dia - disse a raposa.
- Bom dia - respondeu polidamente o principezinho, que se voltou, mas não viu nada.
- Eu estou aqui - disse a voz -, debaixo da macieira...
- Quem és tu? - perguntou o principezinho.
- Tu és bonita...
- Sou uma raposa - disse a raposa.
- Vem brincar comigo - propôs o principezinho. - Estou tão triste...
- Eu não posso brincar contigo - disse a raposa. - Não me cativaram ainda.
- Ah! Desculpa - disse o principezinho. Após uma reflexão, acrescentou:
- Que quer dizer "cativar"?
(...)
- Eu procuro amigos. Que quer dizer cativar?
- É uma coisa muito esquecida - disse a raposa. - Significa "criar laços"...
- Criar laços?
- Exatamente - disse a raposa. - Tu não és ainda para mim senão um garoto inteiramente igual a cem mil garotos. Eu não tenho necessidade de ti. E tu não tens também necessidade de mim. Não passo a teus olhos de uma raposa igual a cem mil outras raposas. Mas, se tu me cativas, nós teremos necessidade um do outro. Serás para mim único no mundo. Eu serei para ti única no mundo...
(...)
- A gente só conhece bem as coisas que cativou - disse a raposa. - Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm mais amigos. Se tu queres um amigo, cativa-me!
(...)
- Os homens esqueceram essa verdade - disse a raposa. - Mas tu não a deves esquecer. Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas. Tu és responsável pela rosa...
- Eu sou responsável pela minha rosa... - repetiu o principezinho, a fim de se lembrar."
É importante ressaltar que o cuidado, como disse Boff, faz parte da vida do homem, uma vez que ele nunca deixará de amar e de se preocupar com alguém. Será isso verdade hoje? Os homens amam e preocupam-se com o mundo e com eles mesmos? Para respondermos esses questionamentos, é preciso lançar um olhar crítico às relações interpessoais no mundo.

Não podemos deixar de lembrar, antes de tudo, que alguns estudiosos derivam cuidado do latim coera, isto é, cura, sendo usado para traduzir relações de amor e de amizade que inspiram desvelo e preocupação com o objeto de carinho. Então, para analisarmos se há cuidado-cura, atualmente, é preciso entender todas as significações desse vocábulo: CUIDADO.

Assim, os questionamentos expostos serão respondidos na próxima parte deste trabalho junto com as possíveis concretizações do cuidado.

Concretizações Do Cuidado

No IX capítulo de Saber Cuidar, Boff apresenta uma série de questionamentos sobre as concretizações do cuidado e o primeiro é o cuidado com o planeta Terra. Nesse capítulo, dividido em dez partes, dois títulos destacam-se ao contexto dos dias atuais: cuidado com o nosso único planeta e cuidado com os pobres, oprimidos e excluídos, esses serão analisados.

É possível que os homens amem, no entanto qual é a natureza desse amor e quem é o ser amado? O mundo moderno caminha para o caos e só o cuidado pode impedir esse fim. Quanto mais tecnologia é desenvolvida, mais o individualismo se estabelece e com ele o descaso e o descuido. É preciso um cuidado especial ao nosso planeta, ao futuro da Terra.

Precisa-se reiterar que o autor sugere uma alfabetização ecológica, a partir da revisão de hábitos de consumo, desenvolvendo assim uma ética do cuidado. Para tanto, é importante ressaltar os nove princípios de sustentabilidade da Terra elaborados por vários setores, sob o título de Caring for the Earth 1991("Cuidando do Planeta Terra") que são:
  1. Construir uma sociedade sustentável.
  2. Respeitar e cuidar da comunidade dos seres vivos.
  3. Melhorar a qualidade da vida humana.
  4. Conservar a vitalidade e a diversidade do planeta Terra.
  5. Permanecer nos limites da capacidade de suporte do planeta Terra.
  6. Modificar atitudes e práticas pessoais.
  7. Permitir que as comunidades cuidem de seu próprio meio-ambiente.
  8. Gerar uma estrutura nacional para integrar desenvolvimento e conservação.
  9. Construir uma aliança global.
Compreende-se, então, que o cuidado com o nosso único planeta é necessário e, para isso ocorrer, é imprescindível que o cuidado perpasse todos o níveis, do individual ao coletivo, do nacional ao internacional, senão acabaremos com bilhões de anos terrenos.

Outro fator importante é o cuidado com os pobres, oprimidos e excluídos, já que se encontram à margem da sociedade, por causa de uma injusta divisão de bens materiais. À medida que a tecnologia avança, cruelmente, aumenta o número de excluídos, principalmente, nos países subdesenvolvidos em que a distribuição de renda sempre foi desigual.

É preciso considerar que para acabar com essa desigualdade, faz-se necessário um movimento de cima para baixo, ou seja, faz-se necessária uma política pública. Entretanto, não pode ser a política que vem sendo exercida, uma vez que essa apenas perpetua o estado de exclusão de uma grande camada da população.

Por outro lado, o autor sugere uma conscientização por parte dos excluídos para que eles, sim, tenham voz e vez de mudar o quadro de injustiças sociais. Precisa-se da libertação dos oprimidos por eles mesmos. A partir do cuidado com os pobres, oprimidos e excluídos, o planeta globalizado será, realmente, globalizante atento às necessidades básicas de cada cidadão, dando-lhes, enfim, subsídios de viver e não somente de sobreviver no nosso planeta. Ao contrário do que se pensa, não basta desenvolver o país com tecnologias de ponta (instrumentos high-tech), antes é preciso equilibrar as camadas sociais.

Portanto, voltemos, sempre que possível, às sábias palavras da raposa de Saint-Exupéry "Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas."



Bibliografia

BOFF, Leonardo. Saber Cuidar. 7ª ed. Petrópolis: Vozes, 2001.

SAINT-EXUPÉRY, Antoine de. O Pequeno Príncipe. São Paulo: Círculo do Livro, 1985.



http://www.cintiabarreto.com.br/artigos/importanciadocuidado.shtml