terça-feira, 9 de março de 2010

Godiva pós-moderna

Ficheiro:Lady Godiva by John Collier.jpg
Certa vez, Larissa teve que sair com seu namorado às pressas ele passou de carro e falava que precisava que ela saísse como estava para uma emergência.


Ela saiu de camisola e de uma forma que não gostava, seu usar seu soutien.


Larissa tinha bustos avantajados e morria de vergonha de usar roupas cavadas ou sem manga, principalmente não se sentia, definitivamente bem sem soutien.


O pior que o carro passava por locais esburacados e uma saga começou: os 10 minutos mais sofridos para ela, pois a cada quebra-molas, buraco ou balançar do carro brusco, ela soltava um gritinho e tinha de se segurar toda.


Daí ela comentou com namorado:


- Deus do céu, Godiva deve ter sofrido, como é duro passar por locais assim, imagina? Ou não tinha seios fartos como eu.


O namorado dela riu e falou: 


- Mas quem era Godiva?


Foi então que Lalá se deleitou e deu uma gargalhada e contou:


"Diz a lenda que a bela Lady Godiva teve pena do povo de Coventry, que sofria com os altos impostos do marido. Lady Godiva apelou a ele tanto que ele concedeu com uma condição: que ela cavalgasse nua pelas ruas de Coventry. Ela aceitou a proposta e mandou todos os moradores se fecharem em suas casas até que ela passasse. Diz a lenda que somente uma pessoa ousou olhá-la, e ficou cego por consequência. Ao final da história, Leofric retira os impostos mais altos assim mantendo sua palavra.


Uma teoria diz que a nudez de Godiva seria a falta de adereços e jóias preciosas, marcas da nobreza a qual ela pertencia.
De qualquer forma, não há traços da história em fontes contemporâneas à Godiva. Isso aliado a peculiaridades de Coventry faz com que a história titubeie um pouco quanto aos requisitos de veracidade histórica."

E o namorado disse para ela:

- Pois eu já lembrei da revolução feminina, em que o símbolo da libertação de vocês era justamente queimar lingerie à fogueiras.

Foi quando ela disse que no momento ela não se sentia nem feminista, nem Joana D´Arc e nem Godiva, ela queria mesmo era a peça ali a protegendo da dor, ou seja: tem horas que as amarras são necessárias e que a mulher gosta até de estar dentro de um espartilho.

Mas o casal com isso se beijou e ele dirigiu de forma mais suave falando que iria ser delicado com a sua Lady Godiva, pois não a queria com dores e nem sensibilizada, sim inteira e linda, feminina mesmo com suas limitações e pudores, que eram normais e com tempo iriam ser vencidos...

Lalá feliz chegou em casa e nem quis o aparato, permitiu-se andar por alguns lugares livre e mais solta, liberta de algumas vergonhas e até vez por outra se deparava com sua imagem ao espelho com um vestido decotado se achando mais bonita e valorizando seu decote. 

Talvez ser Godiva a fizesse mais mulher e se descobrisse também mais feliz como é, libertando-se de preocupações que não existiam, só em sua cabeça, pois se sentiu mais a vontade e feliz por poder não usar, enfim algo que a reprimia.

Só aí entendeu o sentido da imagem da revolução feminista, pois realmente é a liberdade conquistada!

Cristiana Passinato