domingo, 7 de março de 2010

Vivendo e aprendendo a jogar...





Aprendendo a jogar

(Guilherme Arantes)

Vivendo e aprendendo a jogar
Vivendo e aprendendo a jogar
Nem sempre ganhando
Nem sempre perdendo
Mas aprendendo a jogar
Vivendo e aprendendo a jogar
Vivendo e aprendendo a jogar
Nem sempre ganhando
Nem sempre perdendo
Mas aprendendo a jogar
Água mole em pedra dura
Mais vale que dois voando
Se eu nascesse assim pra lua
Não estaria trabalhando
Vivendo e aprendendo a jogar
Vivendo e aprendendo a jogar
Nem sempre ganhando
Nem sempre perdendo
Mas aprendendo a jogar
Mas em casa de ferreiro
Quem com ferro se fere é bobo
Cria a fama, deita na cama
Quero ver o berreiro na hora do lobo
Vivendo e aprendendo a jogar
Vivendo e aprendendo a jogar
Nem sempre ganhando
Nem sempre perdendo
Mas aprendendo a jogar
Quem tem amigo cachorro
Quer sarna pra se coçar
Boca fechada não entra besouro
Macaco que muito pula quer dançar
Vivendo e aprendendo a jogar
Vivendo e aprendendo a jogar
Nem sempre ganhando
Nem sempre perdendo
Mas aprendendo a jogar
Nem sempre ganhando
Nem sempre perdendo
Mas aprendendo a jogar




@FrasesDitas
"A suprema arte da guerra é derrotar o inimigo sem lutar"[Sun Tzu] #FrasesDitas


No balanço de perdas e ganhos, dos danos que causamos e que são causados, na vida, temos que incorporar a arte de transpor obstáculos e exercer diariamente a alquimia de transformar o que é emitido de ruim, de podre para adubar o nosso caminho e florescer o bem.
De todas as sementes jogadas em nosso solo, temos que proteger nosso território e só guardar e deixar florir nosso jardim com as boas.
Guardar somente o que nos é proveitoso e edificante é uma forma de crescermos na sabedoria de saber viver.
O que não nos serve, devemos deletar, jogar fora, afastar: "Pai, afasta de mim esse cálice", como já diziam as escrituras e os poetas por aí, pois há muito já se é sabido que o segredo mesmo é ser bom, distribuir bons fluidos e aprender a cada segundo que o outro pode ter defeitos, pode errar, mas se na essência é bom, tem direito a uma segunda chance.
Amar quem nos ama é fácil, o exercício da compaixão é o entendimento do que não se é tão visível e agradável, porém se o mal persiste e quem o faz não demonstra ter boa índole, o que se tem a fazer é o mesmo que às ervas daninhas: arranca-se para as pragas não infestarem e acabarem também com os bons brotos.
Não sejamos tolos, o mal existe e está em toda parte, com tempo ele cansa e sai de perto, mas se nos deixamos levar, somos território fácil para o inimigo entrar e nos destruir, por isso, proteja-se na oração e em Deus, se assim acreditar, ou então, não permita que gente de maldade se instaure em sua vida... Contamina, arruina, adoece, não deixe!
Por isso e por outras tantas que temos que "viver e aprender a jogar", pois como combater o mal sem afronta e guerrilhas, usando da gentileza e amor? Essa é a chave da questão!
Mesmo na distância pessoas do mal estarão perto, e aí, como fazer?
A convivência gentil não impede que suas distâncias existam, basta manter o limite e não permitir que qualquer um penetre em sua essência, ela é sagrada.
Tão fácil falar, não?
Vamos exercitar?

Cristiana Passinato