domingo, 4 de março de 2012

Limites do meu mundo e do seu...


Sabe por que é fácil me conhecer?
Eu me deixo acessar, pois abro quem sou e o que gosto pra todos, então é fácil saber...
Tem gente que diz que quer ser amada e ser querida, mas não se permite, fecha como uma ostra e não deixa entrarem. São todos tolos!
A gente tem que correr o risco de ser a gente mesmo e pagar pra ver. Quem gostar, bem vindo ao meu mundo e siga-me por onde for, de mãos dadas.
Nosso mundo pode ser como o de outros. Se mostrarmos quem somos e o que fizemos, quem sabe se interseccionem?
Quem sabe interpenetremos no próximo sendo nós mesmos?
Quem sabe respeitemos mais o outro nos conhecendo e sabendo os limites de nós mesmos a partir do limite do outro?
Toda loucura guarda em si um pouco de sanidade, aquela que lá dentro queremos cumprir, a loucura mais sana (sã?) é a de sermos como queremos.

Parênteses: (sana = sã? Insano é não são... Não sana? Isso existe...)

Chove, chuva... Chove sem parar... Jorge Benjor

A maior honestidade que podemos mostrar ao mundo, é sermos quem somos. Nada mais justo e honrado que sermos honestos conosco e com os outros.
Me criticar é fácil, quero ver ter o peito e a coragem que eu tenho de ser eu mesma.
Tem muita gente travestida de outras pessoas para conquistar quem é interessante. Quero ver conquistar sendo honesto consigo próprio(a).
Conquistar se revestindo dos gostos de alguém, é mole, mas a máscara quando cai o tom ridículo vem à tona, quero ver ser si mesmo e amarem.
Arrisque deixar amarem o que é honesto, e o que é real de você essencialmente.