segunda-feira, 16 de abril de 2012

Lama me dignifica

Acordei na chuva.
A chuva molhou a terra e a terra virou lama.
No ponto de ônibus muita água, poças, lama...
Carros importados passando voando pelas poças e uma das poças de lama foi atingida.
Foi o suficiente para o meu banho matinal... De LAMA!
A lama me fez pensar, pois o choque da umidade gelada e o frio que passei no caminho pro trabalho fizeram acordar do sonolento ainda pensamento de que o mundo era bonito e feliz.
Sim, eu peguei meus ônibus toda suja e sendo olhada por todos além disso morrendo de frio.
Sentei-me e ninguém se sentou ao meu lado, só uma senhora deficiente que me abraçou e eu comecei a chorar.
O que ela me disse?
Querida, deixa abraçá-la para aquecer você. Está toda molhada.
Ela tirou de sua bolsa uma toalhinha e me limpou e eu só sabia chorar.
Pensava na minha mesquinhez de me sentir como me sentia e aquela mulher de muletas e sem pernas me limpando e abraçando.
Chorei mais ainda e ela: "Menina, você é linda, está indo para onde, para o trabalho?"
Eu disse que sim e nada mais ela fez que me colocar no ombro dela e me fazer carinho.
Ela não disse nada, mas no final da viagem ela me falou: "Minha filha, a vida não está sendo fácil para você, não é? Mas lembre que você tem suas pernas e pode andar, só por isso já agradeça por tudo que pode conseguir através de cada passo que dá com elas."
Pois é, mas nem isso tudo e essa lição me fizeram parar de me sentir como estou me sentindo.
Mas a lama me dignificou, apesar desse sentimento estranho de agora.

Cristiana de Barcellos Passinato