sábado, 12 de maio de 2012

Quando falamos a verdade...

Sempre digo que o melhor é falar a verdade.
Nunca curti, desde muito pequena, mentir para meus pais, para meus amigos.
Na mentira nos enrolamos, na mentira nos envenenamos, na mentira nos mortificamos.
Há quem só viva dela, e ache que se tira algum proveito.
Mas,  mal sabe o mentiroso que dentro da mentira há incoerências que aos que de longe e de fora estão, detecta-se.
Cuidado, mentiroso, pois a mentira se não for bem calculada, ou se não tiver um pingo de verdade, poderá ser desvendada e o feitiço virar sobre o feiticeiro.
A calúnia levantada hoje pode ser a defesa do caluniado.
A farsa do farsante pode ser o escudo contra o mal causado e que pode ainda vir a ser efetivado.
O que faz o mal está tão cego por sentimentos pequenos que não repara o quão ridículo pode estar sendo.
Há pessoas que afirmam mentiras com a maior convicção do mundo e quando se analisam as entrelinhas, toda a invenção parece absurda.
Os blefes, mesmo eles sendo bem dados e fortemente lançados quando bem lidos, podem ser vistos os meandros da invenção.
Por isso que eu vivo dizendo e não deixo nunca essa prática:
O melhor a se fazer é ser amigo e andar com ela ao nosso lado: a VERDADE!


Cristiana de Barcellos Passinato