domingo, 16 de março de 2014

À beira do abismo me cresceram asas, de Maitê Proença. Comentários sobre a peça.

Convite da peça.
Envelhecer.
Todos um dia envelheceremos por certo.
Sentiremos esse tempo que passa e deixa tanta coisa para trás.
Sobretudo, nós, as mulheres que sentimos tão fortemente a velhice nos chegar tão precocemente e muitas vezes acompanhada da solidão. 
Clarisse Dezié Luz no saguão do Teatro Fashion Mall recebendo seu público.
Nossa, que paradoxo: acompanhada da solidão? Como é isso?
Fui assistir à peça dirigida por Clarice Niskier e supervisionada por Amir Haddad, no teatro Fashion Mall. A história se passava em um asilo e se tratava de uma sequência de situações envolvendo a visita de um jovem que estava entrevistando Terezinha, a personagem de Maitê Proença (protagonista, uma das diretoras e quem escreveu a peça de texto original baseado nas pesquisas de Fernando Duarte) e Valdina, sua amiga, vivida pela engraçadíssima e talentosa Clarisse Derzié Luz.

Maitê Proença autografando para seus leitores no hall da entrada do teatro Fashion Mall.
O texto era riquíssimo em diálogos engraçados, sem apelações, tudo muito suave e de bom gosto e com isso pudemos desfrutar de todo o momento dando boas risadas.
Nem por isso os momentos de melancolia não nos levavam à reflexão. Muitas vezes as duas personagens denunciavam seus momentos infelizes em suas vidas, sua característica comum e que as unia que era a solidão.
Enquanto uma tinha sido abandonada pela família, a outra vivia ali fugindo enfrentar a felicidade de uma irmã.
O drama das duas era vivido de forma leve, pois o tempo iria passar e era curto, por isso o que interessava era saber fazer o tempo passar para viver um pouco melhor.
No final do espetáculo ainda pudemos ser contemplados pelo encontro com as duas atrizes, pois o roteiro da peça que era um brinde a quem comprasse um dos livros de Maitê Proença foi lançado e autografado.
Eu comprei todos, ganhei o roteiro e autógrafo e um sorriso de cada uma.

Livros e roteiro da peça autografados pela Maitê Proença após sessão da peça.