sábado, 26 de abril de 2014

Corretivo merecido, será?

"Mãe desesperada dá uma surra de cinto na filha de 12 anos que postava fotos só de calcinha no Facebook, qual sua opinião a respeito desse tipo de corretivo...
Está circulando pela internet, mais especificamente por onde recebi, no Facebook, um vídeo em que uma senhora africana dá cintadas em sua filha que haveria postado na mesma rede social fotos de calcinha.
Ela estava muito irritada, muito zangada, e chamava os irmãos da menina, gritava e chicoteava com a cinta irada a filha.
Não entendi o dito, mas me parecia uma "lição".
De uma certa forma, a primeira instância todos damos razão à mãe que no desespero fica realmente tão revoltada que chega a levantar um cinto para filha e tentar ensinar pela dor, pelo choque, pela intimidação, pela vergonha, e por aí vai.
Ela mesma pediu para que postassem o vídeo, pois se a menina tinha postado fotos de calcinha, ela não teria vergonha de se mostrar apanhando.
A situação é realmente vexatória e o vídeo de mais de 6 minutos de tortura física e psicológica. Parecia mesmo que a mãe não teve outra alternativa tal desespero o dela.
Mas me ponho a refletir desde que vi o vídeo e me peço a sua opinião sobre, pois eu não gosto e me inquietou, mexeu comigo como a menina foi espancada e todos estão aplaudindo.
Não acredito que seja o melhor caminho.
Vi um filme francês recentemente que se chama "Jovem e bela" que fala da falta de diálogo e abertura familiar. A protagonista, vivida por Marine Vacth teve sua primeira experiência sexual nas suas férias em uma viagem com a família e descobriu depois o prazer de se prostituir se oferecendo pela internet em sites pornográficos e começou a ter uma vida clandestina e paralela aos seus estudos e convívio social e familiar. Ela conseguiu esconder até que um incidente levou à mãe e à família saber do seu vício e como conseguia dinheiro tão fácil. O fato me lembrou exatamente pela reação momentânea e inicial da mãe da personagem se revoltar e ir para cima dela, mas depois houve carinho, diálogo, tratamento e recuperação, mesmo que depois parecendo instável, mais foi o caminho mais acertado ao meu ver. 
Lógico que o cenário e o background familiar, as raças, posições sociais são diferentes, até o nível de desenvolvimento e educação existe diferença entre França e a África, lógico que há toda uma distância entre as duas situações, porém, para mim berço e educação de casa é sempre com amor, com diálogo para poder formar pessoas mais completas, menos traumatizadas e menos problemáticas.
Fiquei pensando se a menina espancada em algum momento além do medo e da dor poderia ter sentido raiva e pensado em fugir e aí, sim, fazer ainda mais o que queria? Quantas não pensam assim e acabam se entregando ao mal de vez?
Essas meninas são alvo certo para os espertos, psicopatas de plantão...
O que me fez lembrar de outro caso que vi sendo postado pela escritora e novelista Glória Perez, em que um sedutor usa de persuasão para conquistar vítimas e de forma simpática, com álibis. Veja o caso nesse link http://www.clickcamboriu.com.br/policia/2014/04/policia-prende-pedofilo-estuprador-que-usava-a-internet-para-atrair-vitimas-108388.html.
E como esse há vários por aí e não sabemos realmente quem está do outro lado da tela.
A mãe estava certa, tinha razão, mas a medida tomada, ao meu ver nem tanto, não foi a mais feliz, eu pelo menos, se mãe fosse, iria tentar entrar em acordo, passaria-lhe um sermão e controlaria os passos, buscaria ajuda, investigaria tudo, fuçaria a vida da minha filha e ela se sentiria ainda mal, acho que até pior do que apanhando, mas pelo menos, eu saberia o que estaria acontecendo a ela.
Uma menina da idade dessa que aparece no vídeo não começa a se mostrar dessa maneira por qualquer motivo, alguma coisa lhe falta, seja o que for, mas violência não resolve, não educa e só causa mais revolta e medo, pavor.
Tomara que essa menina possa conversar e se entender com a mãe e se proteja do que possa vir a passar de vexames a partir desse vídeo, pois não vai ser fácil para ela. Pode ter certeza.
video

Marlon, obrigada pelo link da notícia no Extra e, que vou aproveitar para colocar aqui para que leiam sobre a real origem do vídeo e sobre demais informações trazidas pelo artigo:
Depois de postar fotos em que aparece seminua no Facebook, uma caribenha de 12 anos levou uma surra de cinto da mãe, que ainda filmou a punição para compartilhar com os amigos da menina na internet. O vídeo se tornou viral na rede social e gerou uma grande discussão sobre o castigo corporal, que é uma prática muito comum na república de Trinidade & Tobago, onde a família mora. O clipe de seis minutos mostra Helen Barlett, mãe de quatro filhos, desferindo diversos golpes na filha de 12 anos, que aparece chorando, gritando e xingando durante o castigo.
Em entrevista a jornais locais, Helen contou que decidiu dar uma surra na menina depois de flagrar uma troca de mensagens entre ela e um menino de mesma idade, na qual o garoto tentava convencê-la a fazer sexo com ele. Depois de ler as mensagens, Helen acessou as imagens da filha e viu diversas fotos em que ela aparecia apenas de calcinha e fazendo poses sensuais. A caribenha explicou que queria proteger sua filha de uma possível gravidez na adolescência e acrescentou que, embora seja bonita e inteligente, a menina sofre de baixa auto-estima.

Leia mais: http://extra.globo.com/noticias/menina-de-12-anos-leva-surra-de-cinto-apos-postar-fotos-seminuas-na-internet-veja-video-rv1-1-12307403.html#ixzz306zzQbgE
Eu não queria postar, mas a pedidos, muitas pessoas querem ver o vídeo para avaliar... Fica o vídeo aqui para quem tem estômago para ver. Eu não consigo mais: