terça-feira, 12 de janeiro de 2016

"Que horas ela volta?"


Apaixonada por esse filme. E que chamem de clichê. A realidade, seja ela mais esteriotipada que for, precisa ser mostrada e as verdades ditas... Tapas na cara da sociedade são necessários para que acordem do torpor de séculos de escravidão das classes desfavorecidas. Viva a liberdade de expressão e a arte que fazem isso com mais leveza para que todos possam sentir a emoção necessária para a justa reflexão.