domingo, 3 de julho de 2016

Antonio Gramsci - Indiferente, 11 de fevereiro de 1917


"Eu odeio o indiferente. Acredito que a vida deve significar ser partidário. Quem vive realmente não pode deixar de ser um cidadão e tomar partido. A indiferença é a apatia, é o parasitismo, é covardia, é não vida. Então, eu odeio o indiferente.
A indiferença é o peso morto da história. A indiferença atua poderosamente na história. Ela opera de forma passiva, mas opera. É a fatalidade; é aquela com quem não podemos contar. É o que perturba os sonhos, é o que corta as asas dos aviões construídos pela inteligência humana que não aceita ser estrangulada. A indiferença é o que acontece quando o mal se abate sobre todos, levando a massa dos homens a abdicar a sua vontade, permitindo apenas promulgar leis que irão revogar a revolta da esquerda para subir ao poder somente homens que não se importam com os outros. Esses homens contam com o absenteísmo e a indiferença dos muitos. Eles tecem o tecido da vida da comunidade, ignorando a massa, porque não se importam com ela. Em seguida a isso, vai parecer ser o destino que esmagou tudo e tod@s, fazendo parecer que a história não é senão um enorme fenômeno natural, uma erupção, um terremoto cujas vítimas são todos aqueles que queriam e que não queriam ir, que sabia e quem não sabia, que tinha sido ativo e que é indiferente. Alguns lamentarão, outros amaldiçoarão obscenamente, mas ninguém ou muito poucos se perguntarão: se eu tivesse feito o meu dever, e também, se eu tivesse tentado fazer valer a minha vontade, teria acontecido o que aconteceu?
Odeio os indiferentes!!! Por que me preocupar com o seu eterno choramingar inocente? Deposito em cada um deles a conta da sua indiferença, por não ter feito o que deveria ter sido feito. E eu sinto que posso ser implacável, não ter de perder minha piedade, não ter que compartilhar com eles as minhas lágrimas.
Sou partidário, eu vivo, sinto-me consciente da minha mão que produz as atividades da cidade futura que eu ajudo a construir, para que assim a cadeia social não pese sobre alguns, que tudo o que acontece não é fruto do acaso, da pura fatalidade, mas sim é resultado de um trabalho inteligente de cidadãos. Há nessa cidade ninguém na janela observando enquanto poucos sse acrificam. Eu vivo, sou partidário. Portanto, eu odeio o indiferente."



video

O texto acima foi uma tradução livre do italiano para o português de um amigo e mestre, ex-professor e exemplo de uma pessoa que luta na UERJ incessantemente por uma educação de qualidade e ele ao repassar no facebook realmente me tocou.
O vídeo foi repassado por uma pessoa que eu admiro e acompanho de perto, a Lurian Silva, que ao ser compartilhado com meu orientador que conhece bem o comunismo, mais que eu, fomos para o reservado e tivemos uma discussão muito interessante.
Discussão no sentido de troca de olhares, ideias, e impressões sobre o vídeo e o sistema em si.
Ele disse, e concordo com ele, que a imagem do vídeo é reducionista, por motivos óbvios, pois trata-se de uma alusão lúdica para desmistificar e tirar aquele ar de demônio da pessoa que se diz comunista, e é isso que precisamos fazer, parar de mitificar e saber do que estamos falando, buscar os prós e contras, as qualidades e defeitos e parar de calcificar conceitos cristalizados que nada têm a ver com o que é real, enfim... Falamos de alguns desvios que não correspondem à realidade do comunismo.
O conceito está mal feito no texto do diálogo do pai com a filha porque tende a levar a pessoa a achar que o comunista é só solidário, mas não é só isso, vai muito além e para isso, eu compartilho uma série de links que recebi de um seminário profundo com um debate rico que houve na UNIRIO esses dias sobre reflexões sobre Gramci e as realidades atuais:

Via Vanessa Marcondes, no facebook:

Para quem tiver o interesse, aqui estão os links dos seis seminários organizados pelo Grupo interinstitucional de estudos sobre Estado, Poder e Educação (GIEPE).
VI Seminário Antonio Gramsci : Coerção e consenso na atual onda conservadora. DIA 21/06/2016 -
http://webconf2.rnp.br/p8rh95cpvos/
V Seminário Antonio Gramsci: Gramsci e a questão agrária no Brasil. DIA 25/04/2016 -
http://webconf2.rnp.br/p3gf3xfm5m2/
IV Seminário Antonio Gramsci: O Estado ampliado e os intelectuais na formação da Hegemonia. DIA 01/12/2015 -
http://webconf2.rnp.br/p6hy8hrrp2s/
III Seminário Antonio Gramsci: Educação Popular, Universidade e Movimentos Sociais. DIA 15/09/2015 -
http://webconf2.rnp.br/p5eyj4yfpu8/
II Seminário Antonio Gramsci: As novas configurações do Estado ampliado brasileiro. DIA 09/06/2015 -
http://webconf2.rnp.br/p3dxrzboyk9/
I Seminário Antonio Gramsci: Estado, Sociedade Civil e Políticas Educacionais. DIA 10/04/2015 -
http://webconf2.rnp.br/p4jrkdjjue4/