terça-feira, 15 de novembro de 2016

"Eu sou o limite de minhas ilusões perdidas" Bachelard


Quando Bachelard fala das "ilusões", ele fala de conceitos subjetivos ligados ao realismo. Imagens concretas, pouco elaboradas, não-abstratas. Quando se busca evoluir o espírito científico e desenvolver o exercício da psicanálise do senso comum o que se realiza é uma espécie de exorcismo de valores. O cientista ou estudante de ciências deve buscar construções mais abstratas, menos ligadas à sensualidade, às metáforas mal feitas e outros elementos de linguagem que nos iludem e satisfazem assim esgota-se a busca pelo objeto científico mais matemático. O que nunca deve ser esgotado. O movimento de busca e pesquisa, cálculo, abstração é constante, eterno na epistemologia do conhecimento pensada por Bachelard. Na superfície não nos aprofundamos para buscar o racionalismo das coisas e estamos fadados à vulgaridade, segundo ele. "A ciência não é fácil."